Facebook YouTube



Apolo, de WikipediaApolo 

Estação Verão

Por Erica Brandt, psicóloga e terapeuta

A estação do verão é consagrada a Apolo, o deus solar e nas artes esta  época do ano é representada por um dragão cuspindo fogo, assim como por um feixe de trigo e/ou uma  foice.

Deus muito complexo, terrivelmente banalizado quando o reduzem à figura de um homem jovem, sábio e belo, ou quando numa simplificação do pensamento de Nietzsche, o opõem a Dionísio, como a razão contraposta ao entusiasmo. Pelo contrário, Apolo é o símbolo da vitória sobre a violência, do autodomínio no entusiasmo, da aliança entre a paixão e a razão. Filho de um deus (ZEUS) e neto (por parte de sua mãe, Latona) de um titã.

Leia mais

Fio

FreddyViajar com a bicicleta e só!

Por Freddy Poetscher*


Fim do ano viajei para Punta del Leste em companhia somente de minha magrela, uma companheira de muitas aventuras. O compromisso dela é de me levar para onde eu tenha vontade suficiente, para qualquer lugar que nos desafie pela dificuldade ou pela beleza, claro desde que a manutenção de minha companheira esteja em dia. Sim, a magrela é minha bicicleta, a qual me acompanhou na virada do último ano.

Devido a corrida de fim de ano e outras complicações, não pude me organizar adequadamente com meus amigos e optei por realizar uma viagem de acordo com minhas possibilidades. Viajar sem a companhia de ninguém não quer dizer que você está viajando sozinho (solo). Esta viagem tornou-se uma experiência que recomendo à todos que vivem num mundo apressado, internetizado e consequentemente, muitas vezes, superficial.

Hoje quando observo meus filhos, fico feliz quando vejo eles brincarem sozinhos, mostrando uma certa autonomia e automotivação, enquanto são felizes nas suas brincadeiras de ‘heróis de capa e espada’. Afinal, nem sempre podemos estar rodeados de amigos. ‘Brincar sozinho’ é uma característica avaliada no perfil do desenvolvimento de cada ser. Logo me pergunto, e nós adultos sabemos ‘brincar’ sozinhos? Qual foi a última vez que você se divertiu sozinho? Onde perdemos algo tão simples...

Hoje vivemos em bandos, dentro de grupos, dentro de empresas e convenções sociais e não é esperado que fiquemos sozinhos, que sejamos independentes para suprir nossas necessidades. Faça um exercício, desligue-se de todas as sua obrigações e papéis sociais assumidos e pergunte-se, o que te deixa Feliz? Talvez, você ache que isso seja um exercício muito abstrato, mas a resposta é simples. Viaje para algum lugar desconhecido, com outra cultura e língua e sem nenhuma companhia do mundo até então vivido e seja Feliz! Esta é a sensação, a Felicidade por si só!

Muitas vezes, pode ser um abismo para algumas pessoas, mas para mim foi introspectivo e iluminador. A situação pode ser tão desagradável para a maioria, que encontramos na internet diversas referências de como superar uma viagem solo, ou momentos de solidão. Receitas de ‘o que fazer’ e como se manter ocupado, para não perceber que esqueceu de como brincar sozinho.

FreddyFiz a viagem com um único compromisso, estar feliz! Simples, não?

Sem nenhum outro compromisso cheguei no Uruguay logo antes da véspera de ano novo. No primeiro dia fiz um pedal exploratório sem compromisso e sem destino. Pedalei por mais de 40km na costa do Uruguay e pela cidade de Punta, sendo respeitado no trânsito não tendo nenhum tipo de problema. A atividade física para mim já é um grande proporcionador de Felicidade, creio que devam ser as endorfinas. Mas além disto, de bicicleta é possível observar a cultura local, escutar as pessoas falando e apreciar a paisagem mais lentamente.

Para sair da praia em que me localizava (Solanas) subia todo dia o morro da Punta Balena, uma subida razoável premiada sempre com a vista de toda a cidade de Punta del Este com os transatlânticos ancorados entre a Ilha Lobos e a enseada da Praia Mansa.
As praias seguintes Pinares, Delicias e Mansa até o farol parecem bem menores no mapa, sem falar na praia Brava! Passava todo dia por elas, me impressionando sempre a arquitetura diferente, a preocupação local com a limpeza, organização e a movimentação de alta temporada.

De longe parece um local de fim de semana comum, mas se olharmos os detalhes notamos diferenças muito interessantes: Churrascarias de frente para o mar servindo chorizos, cafés com strudel na praia, barracas com atividades para crianças, massagens na praia, adegas de vinho, clubes de Jazz e obviamente o chimarrão com livro de frente para o mar. Uma cultura de praia completamente diferente da média brasileira e única pelo que eu até agora conheço.

 Já havia pedalado na Costa da Califórnia e me lembrou muito aquela região, tanto na cultura de praia quanto no clima - há inclusive o Hotel San Diego no centro da cidade de Punta. Mas além do toque Californiano há uma influência forte Européia na arquitetura e na culinária. E o Uruguaio? Confesso que não tive muito contato com os locais, eles realmente se ‘dissolvem’ em tanta multidão. O pouco contato que tive me pareceram muito educados e prestativos e de fato devem ser para permitir que o Balneário de Punta del Leste seja um dos 10 melhores locais do mundo para se passar o ano novo (a lista dos dez não é minha!).

Me encontrei nesta mistura de culturas que é Punta, parecida com as influências que tive na minha formação e na minha vida. Me diverti, me conhecendo enquanto quebrava barreiras físicas de pedalar (depois de um churrasco e muito vinho), vendo o sol se por no mar e agradecer por mais um belo dia vivido (simples assim!) e pensando numa Bella pessoa que conheci que tornava todos aqueles momentos únicos para mim.

FreddyPara mim viajar sozinho permite que você entre com contato com o teu ‘Eu’, descobrindo coisas interessantes para mim que passam despercebidas quando estou dando atenção para outra pessoa. É um exercício de percepção e aguça nossa sensibilidade.

Não estou diminuindo a importância das outras pessoas em minha vida, mas sim seguindo a máxima que para sabermos como deixar as pessoas à nossa volta felizes precisamos saber e praticar em primeiro lugar o que nos deixa feliz. Com certeza eu pedalei nessa direção!



*Freddy Poetscher, PhD
Engenheiro Metalurgista
Testmat Engenharia Industrial
http://www.testmat.com.br

Outono

Agenda 


DAGS – Jornada pelo Corpo Humano
A partir do dia 23 de março das 9h30 às 12h30hs, sábado.
São quatro encontros no transcorrer do ano. No primeiro semestre, em 23/março e 25/maio.
Facilitadora:  Erica Brandt.

DAGS é um jogo da transformação e autoconhecimento através dos arquétipos do zodíaco que constituem o hexagrama segundo Omraam Aïvanhov e os ensinamentos de Jean-Yves Leloup. Ao jogar os dados, o participante vivencia sua viagem sobre o oceano psíquico e seus 06 arquipélagos representados numa tela 2:00 X 2:00. Em cada encontro, integrando as dimensões do ser (física, psíquica, contemplativa e espiritual), um caminho para possibilitar ao ser humano um retorno ao seu eixo verdadeiro em unidade com sua essência. Através de recursos audiovisuais, técnicas vivenciais, reflexões e meditações é facilitada uma maior compreensão do corpo físico, dos desequilíbrios energéticos e cuidados necessários para que o corpo possa ser a expressão do SELF.

Informações contato@ericabrandt.net e fone (51) 8156.4567.

Tornamos-nos co-criadores na criação da saúde e do bem-estar ao investirmos no reequilibrio dos campos de energia, auxiliando a regular a fisiologia celular, restaurando a ordem a partir de um nível mais elevado do funcionamento humano.


Meditação do coração
Todas as terças-feiras das 10h às 11h, no Centro da Consciência e Nutrição. Informações pelos fones (51) 3061.4359 e (51) 8156-4567.



Livro Próximo sorteio:
Livro  "Amar... apesar de tudo".
Jean-Ives Leloup - Encontro com Marie de Solemme - Edit. Verus.

Será no dia 25 de maio, no evento DAGS – Jornada pelo Corpo Humano.
Para fazer a inscrição, solicite participação no próximo sorteio, com nome e dados para contato ao e-mail contato@ericabrandt.net .


Na obra...
Amar... apesar de tudo!
Amar... apesar do medo, da ansiedade, da angústia, da incerteza.
Amar... apesar do passado, do futuro... apesar do presente.
Amar... apesar dos impasses, das dificuldades, dos problemas.
Amar... apesar das impossibilidades.
Amar... apesar do mal, da destruição, da ameaça, do coração de pedra.
Amar... apesar da separação, da indefinição.
Amar... apesar da sombra.
Amar... apesar do outro.
Amar... apesar de mim.
Amar... apesar de Deus.
Amar...
Hoje, mais do que nunca, amar,
Amar... a porta que dá acesso ao jardim.

Jean-Yves Leloup



Livro a ser sorteado por Erica BrandtResultado do último sorteio:
Sabedoria do Monte Athos" do autor Jean-Yves Leloup - edit. Vozes. 

Vencedora Cynthia Marsola, sorteado número 005, de São Paulo.

O sorteio aconteceu no dia 18 de dezembro no encontro de "Meditação do Coração".

De forma poética e leve, mas sem deixar de lado a erudição que lhe é peculiar, Jean-Yves Leloup nos inicia ao cristianismo ortodoxo. Ele nos conduz ao Monte Athos - a "Sagrada Montanha" que se ergue sobre os mares da Grécia onde, por meio de "cartas a um amigo ateu", ele nos narra sua experiência pessoal, levando-nos ao coração do cristianismo.

Outono