Clique aqui se você não consegue visualizar esta newsletter

Por Mary, Barbosa, astróloga

Os Deuses da Mudança
Por Mary, Barbosa, astróloga*

Nós, que nos acreditamos indivíduos pensantes, costumamos presumir que sabemos um bocado de nós mesmos. Provavelmente, sabemos sob o ponto de vista, o qual podemos enumerar nossas qualidades e defeitos. Contudo, existe um veículo de informação de tendências milenar que vem ultrapassando o tempo, se destacando, ocupando espaço na mídia e ganhando credibilidade nesta idade contemporânea.

“A astrologia nos diz: envolvam-se com os signos e planetas, e eles virão conversar com vocês e lhes contarão segredos”.

Os deuses da mudança, Urano, Netuno e Plutão, estão neste milênio, nos convidando a olhar o céu e constatar que existe uma sincronicidade entre o movimento dos corpos celestes e o comportamento humano.

Plutão (Hades), o deus das grandes transformações, gera processos de crises, perdas, ressentimentos e lutas de poder. O indivíduo passa por mudanças intrínsecas e profundas em nível inconsciente.

Aqui, se perde para depois ganhar. Tem que abrir mão, deixar ir, desapegar para evoluir.

Plutão destrói para reconstruir em outras bases.

Muda o padrão de comportamento, leva a total mudança de valores.

Tem um processo de descida.

Em seguida, o ser faz a catarse e renasce das cinzas como a Fênix, mais forte e poderoso do que antes.

Netuno (Poseidon), está associado ao sonho, à fantasia, espiritualidade, música, aos sacrifícios e escapismos. Altera o nível de consciência, dilui a percepção, vende uma ilusão e distorce o foco. Leva o indivíduo a ampliar a expectativa e buscar uma “Sucursal do Paraíso" para ser plenamente feliz.

Esse simbolismo exacerba a imaginação, cria uma projeção e nega a fealdade das coisas.

Vê o mundo com "lentes cor-de-rosa". Em seguida, elas caem para dar lugar às desilusões, desencantos e todos os processos de melancolia.

Netuno nos pede para desenvolver a espiritualidade , buscar o autoconhecimento e mexer com algum tipo de expressão artística.

Urano, entrando no signo de Áries, simboliza grandes mudanças na vida do indivíduo, quebra de paradigmas, mudanças de destino, situações imprevistas, inusitadas e inesperadas. É tempo de improvisar, lançar mão da criatividade, do universo das ideias, da matéria-prima que tiver em mãos, fazer diferente e se recriar. Requer urgência e, para crescer, alguns terão que enfrentar mudanças radicais. Algumas estruturas terão que ser rompidas para abrir espaço para o novo que vem chegando. Não resista às transformações, porque elas virão à revelia. São situações externas que virão independentemente de sua vontade. Abrace-as e conduza-as na medida do possível.

Esses deuses desafiam nossa antiga maneira de ser. Os céus estão sinalizando para mudanças de orientação pessoal. É um chamado à tomada de posição em relação a tudo que estiver estagnado. O sistema é forçado a assimilar, deve-se estabelecer uma nova ordem das coisas.

As mudanças serão estabelecidas por “escolha ou coerção”. Nada tem garantia de durabilidade, tudo é experimental, é preciso maleabilidade, é preciso saber mudar de lado.

Urano é o despertar da consciência, é o “insight”, os “flashes”. O indivíduo será despertado para novos interesses e para um novo estado de consciência cósmica.

Eventos aparentemente infelizes poderão ganhar sentido e relevância – Urano muda a ordem das coisas – não é necessário que destruamos toda a estrutura de nossas vidas, mas é bem provável que precisemos fazer alguns ajustes ou alterações importantes para que possamos respeitar o novo crescimento que Urano, em Áries, está sinalizando.

É tudo muito rápido, tem uma aceleração, ocorrem situações de renovação repentinamente. Situações surpreendentes! Urano é um Deus irreverente, cuja energia tem natureza transformadora, a pessoa se liberta do passado condicionante. Até as rupturas podem ser de natureza positiva. As dificuldades estarão servindo para um propósito maior.

Todos nós temos um eu central que guia, regula e supervisiona nosso desenvolvimento, mas na maior parte do tempo não temos consciência do fato.

Para crescer, evoluir e prosperar terá teremos que enfrentar essas mudanças, todo esse processo de renovação, com duração de sete anos.

A visão uraniana ilumina os passos que precisamos dar, ou ações que precisamos empreender, para cooperar com aquilo que o “Eu interior” tem em mente para nós.

*Formação acadêmica:
Artes Plásticas - 1973
Escola de Belas Artes da UFBA

Formação em Astrologia - 1993
Curso de formação com duração de cinco anos. - 3.800 horas.
Astrocienthia/ Escola de Astrologia do Rio de Janeiro.
Astróloga, sindicalizada no SINARJ. Reg. 192

mbarbus@ig.com.br

www.ericabrandt.net

Participe enviando críticas e sugestões de pauta para news@ericabrandt.net
Jornalista responsável: Aline Wolff da Fontoura (MTB/RS 12.406)